domingo, 20 de agosto de 2017

Tintos do Pomerol

Na última 5ª feira, dia 17 de agosto, realizamos no La Casserole uma excepcional degustação, desta vez de vinhos tintos produzidos na região de Bordeaux, na sub-região de Libournais e na  Appellation d'origine contrôlée Pomerol, este vinhos são produzidos principalmente com as uvas Merlot e Cabernet Franc, sendo que alguns deles apresentam uma pequena participação de Cabernet Sauvignon. Tivemos a presença de 7 confrades e de um convidado. Foram degustados 8 vinhos, de safras não muito antigas (2006, 2007, 2009 e 2010), O nosso confrade Joubert foi responsável pelo excelente menu da noite.

Entrada: Tourte forestière, champignons e foie gras

Prato Principal:    

Parmentier de coq au vin
ou
Magret de pato, molho poiver e rosti de batata
ou
Filé mignon, crosta de ervas e “risoto” de fregola sarda

Sobremesa: Pêssego Melba, acompanhado pelo excepcional domaine de l’Herre – Gros Manseng, oferecido pelo nosso confrade Joubert

O serviço foi excelente e a execução do cardapio excepcional.

A degustação contou com oito vinhos com níveis de alcool variando entre 13% e 15%.

A seguir uma breve descrição dos vinhos degustados:

Chateau Haut-Surget 2006
Produtor: Haut Surget
País/Região: França/Lalande Pomerol
Graduação alcoolica: 13%
Uvas: 70% Merlot, 15% Cabernet Sauvignon, 15% Cabernet Franc
Confrade: Walter

Chateau Le Bon Pasteur 2006
Produtor: Domaines Rolland
País/Região: França/Pomerol
Graduação alcoolica: 13.5%
Uvas: 80% Merlot e 20% Cabernet Franc
Confrade: João Luiz

Chateau La Commanderie de Mazeyres 2006
Produtor: Clement Fayat
País/Região: França/Pomerol
Graduação alcoolica: 14%
Uvas: 55% Merlot e 45% Cabernet Franc
Confrade: Otavio

Chateau Franc-Maillet Cuvee Jean Baptiste 2006
Produtor: G. Arpin
País/Região: França/Pomerol
Graduação alcoolica: 13.5%
Uvas: 90% Merlot e 10% Cabernet Franc
Confrade: Alessandro

Providence 2009
Produtor: Jean-Pierre Moueix
País/Região: França/Pomerol
Graduação alcoolica: 14.5%
Uvas: 90% Merlot e 10% Cabernet Franc
Confrade: Joubert

Chateau Certan de May 2007
Produtor: Chanteau Certan de May
País/Região: França/Pomerol
Graduação alcoolica: 13.5%
Uvas: 70% Merlot , 25% Cabernet Franc  e 5% Cabernet Sauvignon
Confrade: Marcio

Clos des Litanies 2010
Produtor: Familie Joseph Janoueix
País/Região: França/Pomerol
Graduação alcoolica: 15%
Uvas: 100% Merlot
Confrade: Calabro

La Fleur de Bouard 2009
Produtor: Ch La Fleur St -Georges
País/Região: França/Lalande Pomerol
Graduação alcoolica: 14%
Uvas: 85% Merlot, 10% Cabernet Franc e 5% Cabernet Sauvignon
Confrade: Altman

Vinhos degustados

Os vinhos apresentaram cor rubi escura, quase sem halo de evolução, sendo que um deles apresentou um rubi ainda violáceo. Os aromas  de frutas vermelhas maduras, incluiam cereja, groselha, mirtilo, morango, alem de especiarias, fumo e tabaco. Os taninos se mostraram encorpados e aveludados e bastante equilibrados, com sabores herbáceos e terrosos.

Nesta degustação, os resultados do nosso painel apresentaram, uma pequena amplitude de notas, sendo na média aparada de 2,5 pontos (de 89 a 91,5).

O vinho que ficou em último lugar foi o Chateau Le Bon Pasteur 2006, produzido no Domaine Rolland, a partir das uvas Merlot (80%) e Cabernet Franc (20%), com 13,5% de alcool, foi escolhido o pior vinho por cinco confrades.

O segundo melhor vinho do painel, foi o La Fleur de Bouard 2009, produzido pelo Chateaux La Fleur St -Georges, na região de Lalande Pomerol, a partir das uvas Merlot (85%), Cabernet Franc (10%) e Cabernet Sauvignon (5%), com 14% de alcool, foi escolhido o melhor vinho por um confrades e o segundo melhor por outros dois.

O Campeão da noite, foi o Providence 2009, produzido pela familia Moueix, a partir das uvas Merlot (90%) e Cabernet Franc (10%), com 14.5% de alcool. Este vinho foi esolhido o melhor vinho por seis confrades e o segundo melhor por outro.
  
Vejam os resultados completos abaixo.


Não se esquecam que no dia 21/Setembro degustaremos vinhos tintos espanhois da safra 2005.. Até lá....

Não percam a próxima degustação.


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Pomerol

Pomerol is a French wine-growing commune and Appellation d'origine contrôlée (AOC) within the Libournais ("Right Bank") in Bordeaux. The wine produced here, predominately from Merlot with Cabernet Franc playing a supporting role, is also known as Pomerol. Unlike most other Bordeaux communes, there is no real village of Pomerol, although there is a church. The houses are set among the vineyards.

The region was recognized as a distinct wine region apart from Saint-Émilion and the greater Libournais region by the French government in 1923 and was granted AOC status in 1936 as part of the first wave of AOC establishments by the Institut national de l'origine et de la qualité (INAO). While it is now one of the most prestigious of the Bordeaux AOCs, this situation is relatively recent, dating to the second half of the twentieth century, which is often given as one of the reasons why Pomerol is not included in any of the Bordeaux classifications.
Pomerol is the smallest of the major fine wine regions in Bordeaux, covering an area that is roughly three kilometers wide by 4 kilometers long. It is roughly one-seventh of the size of its much larger Right Bank neighbor Saint-Émilion AOC and is on par with the smallest Left Bank commune of Saint-Julien AOC in the Médoc. In 1998, there were 784 hectares of grape vines planted within the AOC boundaries producing 36,066 hectoliters (400,733 cases) of wine. In 2003 there were 150 declared producers in Pomerol harvesting 780 ha and producing a year average of 32,250 hl (around 358,333 cases) of wine. Almost all the wine is estate-bottled. Unlike other French wine regions, such as Burgundy and the Rhône Valley, there are no co-operatives currently operating in Pomerol. By 2007, the number of planted hectares had risen slightly to 800 ha (1980 acres).

While many Pomerol wines now fetch very high prices at wine auctions and in the private market on a par with the most highly rated classified growths of Bordeaux, there is no official classification of Pomerol wine. However, the region does contains one property widely held to be equivalent to premier cru: Château Pétrus.

Wine

Pomerol now produces exclusively red wine, although 100 years ago it produced a great volume of white wine. Merlot is the most important grape here, accounting for 80% of the vineyard area. Although it is almost invariably blended, the proportion of Merlot can reach as high as 95%, though it is more usually in the range 70-80%. The next most important grape is Cabernet Franc, locally known as le Bouchet, accounting for around 15% of the vineyard area and usually accounting for 5 to 20% of the blend. Malbec, known locally as Pressac, and not much planted in the rest of Bordeaux, is also used. The remaining permitted grapes, Cabernet Sauvignon and Petit Verdot, are barely planted and rarely used in the grand vin though, like Malbec, they may appear in an estate's second wine.

In the early 20th century, as Pomerol's transition to a red wine producing district was completed, Cabernet Franc was the dominant grape variety. However, an early spring frost in 1956 killed a large portion of the Cabernet Franc plantings and many estates took this event as an opportunity to replant with the higher yielding and earlier ripening Merlot. Despite Merlot's tendency to suffer from coulure if the weather is cold and rainy during flowering, the grape quickly rose to prominence in Pomerol and has become the grape most closely associated with the region. Nevertheless, very few Pomerols are pure Merlot and Cabernet Franc is still valued for the tannic structure and acidity it gives, which can add longevity and aging potential to the wines. In fact, as the trend of the late 20th and early 21st century towards harvesting Merlot later and at increasingly higher sugar levels has continued, the role of Cabernet Franc in balancing the opulent but potentially flabby nature of over ripe Merlot has become even more appreciated by Pomerol winemakers.

In general, Merlot tends to be planted on predominantly clay soils while Cabernet Franc is more likely to be on limestone outcroppings and Cabernet Sauvignon and Malbec planted in the more gravelly soils.

Among the few estates with plantings of Cabernet Sauvignon are Vieux Château Certan, Château Beauregard, Château Certan de May, Château Gazin, Château Nenin and Château Petit-Village. Château La Conseillante is among the estates with plantings of Malbec.

AOC regulations

Pomerol is exclusively a red wine with the only permitted grape varieties for AOC wine being Merlot, Cabernet Franc (Bouchet), Cabernet Sauvignon and Malbec (Pressac). Harvest yields are restricted to a maximum of 42 hectoliters/hectare (≈ 2.2 tons/acre) with the finished wine needing to attain a minimum alcohol level of at least 10.5%.

Wine from Pomerol may be labelled as Bordeaux or Bordeaux Supérier (declassified): this would typically happen if the producer felt that the wine was not of a sufficiently high standard to merit the Pomerol label.

Styles and aging

The style of the wine varies with the terroir. In the west, where the soil is more sandy, the wines are lighter; in the south, where the soil is more gravelly, the proportion of Merlot is lower, and the wines tend more towards the flavors of the Médoc.

The wine has been described as 'velvety' or 'unctuous'. The characteristic fruit flavor is plum, sometimes tending towards prune. According to wine expert Oz Clarke, Pomerols can have, in addition to the characteristic plum notes, honeyed spice, truffles, peppermint, chocolate, roasted nuts and raisin notes with a creamy, sometimes buttery mouthfeel and supple tannins.

Master of Wine Clive Coates describes Pomerols as a "halfway house" between the soft, plump, flesh fruit of a Saint-Émilion and the austerity and backbone associated with the wines of the Médoc. Coates notes that Pomerols tend to have less "fruitcakey" flavors than Saint-Émilion with more rich, velvety and plum notes compared to the dominant "black currant" notes in most Médocs. This concentrated rich fruit stems from the nature of Merlot which also allows the wines of Pomerol to be less overtly tannic than the Cabernet Sauvignon-based wines of the Médoc.[1]

According to wine expert and Master of Wine Hugh Johnson, Pomerol requires less aging than most Bordeaux: 5 years is usually sufficient, and 12 years is enough even for the grandest vintages. Johnson notes that Pomerols are usually distinguished by their deep color and sometimes creamy, concentrated ripe-plum flavors but without the high acidity and tannins that are typical of other Bordeaux wines.

Source: Wikipedia

Map: feinwein.wordpress.com

terça-feira, 25 de julho de 2017

Gattinara

Na última 5ª feira, dia 20 de julho, realizamos no Rosmarino mais uma excelente degustação, desta vez de Gattinaras, produzidos no Piemonte, a partir das seguintes uvas: 90% de Spanna (nome local da Nebbiolo) e o restante com as uvas Bonarda di Gattinara e Vespolina, com a presença de 5 confrades. Foram degustados apenas 5 vinhos, de safras relativamente recentes (2006, 2008 e 2010), O nosso confrade João Luiz foi responsável pelo excelente menu da noite.

Couvert: Pão italiano, mini-ciabata, pão de queijo, patê de roquefort, manteiga e azeitona.

Entrada: Creme de palmito

Primeiro Prato: Ravioli de pato ao creme e funghi

Segundo Prato: Boeuf Bourguignon

Sobremesa: Entremet de chocolate, Torta de nozes carameladas, Merengue de chocolate belga e avelãs, Carolinas de creme, Ovos nevados, Profiteroles, Terrine de Frutas, Tiramisú, Creme brulée, Pastiera di grano, Bavarese de chocolate e Tarte Tatin

Como de costume o serviço foi excelente e a execução do cardapio excepcional.

A degustação contou com cinco vinhos com níveis de alcool variando entre 13% e 14%.


A seguir uma breve descrição dos vinhos degustados:

Travaglini Riserva 2006
Produtor: Giancarlo Travaglini
País/Região: Italia/Gattinara
Graduação alcoolica: 13.5%
Uvas: Nebbiolo
Confrade: Joubert

Antoniolo 2008
Produtor: Azienda Agr. Antoniolo
País/Região: Italia/Gattinara
Graduação alcoolica: 14%
Uvas: Nebbiolo
Confrade: João Luiz

Travaglini Riserva 2008
Produtor: Giancarlo Travaglini
País/Região: Italia/Gattinara
Graduação alcoolica: 13.5%
Uvas: Nebbiolo
Confrade: Calabro

San Francesco Antoniolo 2010
Produtor: Azienda Agr. Antoniolo
País/Região: Italia/Gattinara
Graduação alcoolica: 14%
Uvas: Nebbiolo
Confrade: Marcio

Petterino 2006
Produtor: Marco Petterino
País/Região: Italia/Gattinara
Graduação alcoolica: 13%
Uvas: Nebbiolo
Confrade: Paulo

Vinhos degustados


Os vinhos apresentaram cor rubi, sendo que alguns já tinham um leve halo de evolução. Os aromas  de frutas vermelhas escuras, incluiam cereja e framboesa negra, alem de tostado, fumo e couro. Os taninos se mostraram bastante equilibrados e os vinhos persistentes.

Nesta degustação, os resultados do nosso painel apresentaram, uma pequena amplitude de notas, sendo na média aparada de 1,1 pontos (de 89,9 a 91,0).

O vinho que ficou em último lugar foi o Petterino 2006, produzido por Marco Petterino, na região de Gattinara, com 13% de alcool, escolhido o pior vinho por tres confrades e o segundo melhor por outros dois.

O segundo melhor vinho do painel, foi o Travaglini Riserva 2006, produzido por Giancarlo Travaglini, na região de Gattinara, com 13.5% de alcool, escolhido o melhor vinho por um confrade, o segundo melhor por outro tres e o pior por um outros dois confrades.

O Campeão da noite, foi o San Francesco Antoniolo 2010, produzido pela Azienda Agricola Antoniolo, na região de Gattinara, com graduação alcoolica de 14%. Este vinho foi escolhido o melhor vinho por quatro confrades e o segundo melhor por outro.


Vejam os resultados completos abaixo.


Não se esquecam que no dia 17/Agosto degustaremos vinhos do Pomerol. Até lá....

Não percam a próxima degustação.






quarta-feira, 19 de julho de 2017

Gattinara Wine

Gattinara is found in Italy's north-western Piedmont region. Like its neighbor Ghemme, the area also has ancient origins. It is thought that the name derives from Catuli Ara (the Altar of Catullus); it appears the town of Gattinara was built on the site where the Proconsul Lutatius Catullus dedicated the spoils he claimed in his victory over the Cimbrian Gauls in 101 BC. There is also evidence from archaeological discoveries that puts vine growing as far back as Roman times.



The area was granted DOCG status in 1990. Its 247 acres (100ha) of vineyards are located north of Vercelli on steep, south-facing slopes (at a height of 274–396m), centered around the commune of Gattinara and stretching westward towards the Alps. This winemaking zone enjoys a continental climate and the vines grow on iron-rich gravelly soils of volcanic origin, with traces of carbonate, calcium and magnesium. The uniqueness of these soils, combined with the ideal microclimate, helps yield excellent Nebbiolo grapes.

Similar to Ghemme, the wine must comprise 90% Spanna (the local name for Nebbiolo), the rest made up of Bonarda di Gattinara and Vespolina. Unlike Ghemme, which has an alcohol level of 12%, Gattinara must reach 12.5% (13% for riserva). Ageing requirements are 36 months with 12 in oak barrels, or for the riserva, 48 months with 24 months spent in wood. The wine usually ranges from orange to garnet in color, and has a rustic nature and an aromatic bouquet reminiscent of violets. Its reputation for exceptional longevity is thanks to its very prominent tannins and high acidity, which is greater than that of its more well-known cousins, Barolo and Barbaresco.

domingo, 2 de julho de 2017

Amarone

Na 5ª feira, dia 22 de junho, realizamos no Rosmarino mais uma ótima degustação, desta vez de Amarones, produzidos no Veneto, principalmente com as uvas Corvina, Corvinone, Rondinella e Molinara, através de um processo conhecido como appassimento ou rasinate (deixar secar e murchar) com o objetivo de concentrar os açúcares residuais e os sabores. Tivemos a presença de 8 confrades. Foram degustados 8 vinhos, de safras relativamente recentes, considerando o tipo de vinho (2001, 2003, 2004, 2005, 2009, 2010 e 2012), O nosso confrade João Luiz foi responsável pelo excelente menu da noite.

Couvert: Pão italiano, mini-ciabata, pão de queijo, patê de roquefort, manteiga e azeitona.

Entrada: Salada com Carpaccio

Primeiro Prato: Risoto Milanês

Segundo Prato: Brasato com Polente Cremosa

Sobremesa: Entremet de chocolate, Torta de nozes carameladas, Merengue de chocolate belga e avelãs, Carolinas de creme, Ovos nevados, Profiteroles, Terrine de Frutas, Tiramisú, Creme brulée, Pastiera di grano, Bavarese de chocolate e Tarte Tatin

Como de costume o serviço e a execução do cardapio foram excelentes.

A degustação contou com oito vinhos com níveis de alcool variando entre 15% e 17%.


A seguir uma breve descrição dos vinhos degustados:

Amarone della Valpolicella 2010
Produtor: Zenato
País/Região: Italia/Peschiera del Garda
Graduação alcoolica: 16.5%
Uvas: Corvina 80%, Rondinella 10%, Croatina 5%, Oseleta 5%
Confrade: Calabró

Amarone Colle Cristi 2009
Produtor: Michele Castellani
País/Região: Italia/Marano di Valpolicella
Graduação alcoolica: 15.5%
Uvas: Corvina Veronese and Corvinone 70%, Rondinella 25%, Molinara 5%
Confrade: Joubert

Campo Casalin Amarone 2004
Produtor: I Castei
País/Região: Italia/Marano di Valpolicella
Graduação alcoolica: 15.5%
Uvas: Corvina Veronese 70%, Rondinella 20%, Molinara 5% e castas antigas típicas da região 5%
Confrade: Paulo

La Cacciatora Amarone 2009
Produtor: Casa Vinicola Caldirolla
País/Região: Italia/Província de Valpolicella
Graduação alcoolica: 16.5%
Uvas: Corvina 70%, Rondinella 20%, Molinara 10%
Confrade: Altman

Amarone della Valpolicella 2005
Produtor: Tommaso Bussola
País/Região: Italia/San Peretto, Verona
Graduação alcoolica: 17%
Uvas: Corvina e Corvinone 65%, Rondinella 30%, Molinara e outras variedades 5%
Confrade: Alessandro

Le Vigne di Turano 2003
Produtor: I Saltari
País/Região: Italia/Veneto, Amarone della Valpolicella
Graduação alcoolica: 15%
Uvas: Corvina 60%, Rondinella 20%, Croatina 10%, Corvinone 10%
Confrade: Marcio

Capitel del Roari Amarone 2012
Produtor: Luigi Righetti
País/Região: Italia/Marano di Valpolicella
Graduação alcoolica: 15%
Uvas: Corvina, Rondinella e Molinara
Confrade: Otavio

Amarone Bosan 2001
Produtor: Cesari
País/Região: Italia/Quinzano
Graduação alcoolica: 16.5%
Uvas: Corvina 70%,  Rondinella 20% e  Corvinone 10%
Confrade: João Luiz

Vinhos degustados


Os vinhos apresentaram cor rubi escuro, sendo que alguns já tinham um halo granada e dois deles um rubi ainda violáceo. Os aromas  de frutas vermelhas escuras, incluiam cassis, ameixa, cereja preta, madeira, caramelo, fumo e couro. Os taninos se mostraram bastante equilibrados.

Nesta degustação, os resultados do nosso painel apresentaram, uma grande amplitude de notas, considerando-se o vinho que ficou em último lugar que obteve notas muito baixas da maioria dos confrades, e que na opinião de alguns confrades estava bouchonee, sendo na média aparada de 8,9 pontos (de 90 a 81,1).

O vinho que ficou em último lugar foi o Le Vigne di Turano 2003, produzido pela vinicola I Saltari no Veneto na região de Turano, proximo a Mezzane di Sotto, ao leste de Verona, com 15% de alcool, escolhido o pior vinho por seis confrades.

O segundo melhor vinho do painel, foi o Amarone della Valpolicella 2010, produzido pela vinícola Zenato, na região de Peschiera del Garda, com 16,5% de alcool, escolhido o melhor vinho por dois confrades, o segundo melhor por outro e o pior por um outro confrade.

O Campeão da noite, foi o Amarone Bosan 2001, produzido pela vinicola Cesari na região de Quinzano, com 16.5% de alcool. Este vinho foi esolhido o melhor vinho por apenas um confrade e o segundo melhor por outros tres.


Vejam os resultados completos abaixo.


Não se esquecam que no dia 20 de Julho degustaremos vinhos da denominação Gattinara. Até lá....

Não percam a próxima degustação.